Estamos falando de uma cirurgia que possibilita a retirada (parcial ou total) de lesões na pele (sejam elas malignas ou benignas). É sempre importante ressaltar que, a escolha de bons profissionais é imprescindível para que seja respeitado as características da patologia  em questão, tendo por objetivo gerar o melhor resultado estético-funcional.

É importante lembrar que, nem toda lesão na pele exige a retirada cirúrgica. Por isso, é muito importante a avaliação por um médico qualificado, que examinará a lesão e os dados pessoais pertinentes. Havendo a necessidade de um tratamento cirúrgico, ainda há diversas possibilidades de planejamento que serão discutidas, individualmente, com o paciente.

Procedimento de retirada (parcial ou total) de lesões de pele (benignas ou malignas), respeitando as características da patologia em questão e buscando o melhor resultado estético-funcional possível.

Dentre os diversos tipos de tumores benignos, destacam-se: nevos, siringomas, quelóides, lipomas, cistos, leiomiomas, neuromas, hemangiomas, entre outros.

Entre as lesões malignas, os tumores mais comuns são: carcinoma basocelular (CBC), carcinoma epidermóide ou espinocelular (CEC) e melanoma.

Diferente dos tratamentos clínicos (medicamentos, laser, etc.), que podem estar indicados para alguns casos selecionados de lesões, todo tratamento cirúrgico envolve corte(s) na pele e/ou mucosa(s) e, por consequência, cicatriz(es).

Não existe cirurgia sem cicatriz(es)! O que existe é a cirurgia bem planejada, com cicatriz(es) final(is) bem posicionada(s), camuflada(s) quando possível em relevos naturais da pele, atingindo resultados pouco perceptíveis.

Nem toda lesão de pele exige retirada cirúrgica. Após a devida avaliação por médico qualificado, que examinará a lesão e os dados pessoais pertinentes, serão discutidas com o paciente as possíveis condutas, que variam desde o simples acompanhamento periódico, passando por tratamentos não-cirúrgicos, até a cirurgia propriamente dita.

Nos casos de tratamento cirúrgico, há ainda diversas possibilidades de planejamento, que deverão ser discutidas com o paciente.