Cirurgia plástica precisa ser levada a sério

O sucesso do procedimento envolve a escolha de um profissional qualificado

Dr. Vitor participou de mais um Congresso Internacional de Cirurgia Plástica - atualização constante é uma das prioridades da Clínica Geminus

Dr. Vitor participou de mais um Congresso Internacional de Cirurgia Plástica – atualização constante é uma das prioridades da Clínica Geminus

Com tanta notícia ruim sobre procedimentos estéticos que acabaram mal, não nos cansamos de publicar informações úteis para quem busca uma cirurgia ou procedimento não cirúrgico de sucesso. Pesquisas recentes, apontam que cerca de 97% dos médicos que respondem a processos éticos-profissionais relacionados a cirurgias plásticas e procedimentos estéticos não possuem título de especialista na área.

Os planos de saúde, hospitais e o SUS exigem o título de especialista quando contratam um médico especialista. Mas quando a procura envolve a cirurgia plástica e os procedimentos estéticos, que não contam com cobertura dos convênios e do SUS, o próprio paciente faz a escolha destes profissionais.

De acordo com Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), quando for procurar um cirurgião plástico, você deve seguir estas dicas:

  • A primeira e mais importante: sempre buscar um profissional qualificado, um médico portador de Título de Especialista (nos moldes já ditos, na resposta da pergunta 2), membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e/ou Sociedade Brasileira de Dermatologia. Embora estes médicos possuam características profissionais personalíssimas, o Título de Especialista lhes assegura formação, capacitação e habilitação para práticas médicas seguras e reconhecidas cientificamente. Estes médicos terão competência para identificar, diagnosticar e indicar a melhor conduta para cada caso.
  • Segundo: nunca se deixar levar por modismos ou mídias sociais. Desconfie de publicidade ostensiva de médicos ou profissionais da área de saúde, sobretudo os grupos de whatsapp, instagram e facebook, de pessoas que publicam reiterados elogios e fotos de resultados cirúrgicos de determinado profissional. Atrás destas publicações, via de regra, se escondem profissionais aéticos, tecnicamente sofríveis, ávidos por angariar pacientes por puro interesse financeiro, e que se valem destes artifícios de imposição profissional, que findam sendo verdadeiras armadilhas para desavisados pacientes.
  • Terceiro: verificar as condições sanitárias e recursos onde tratamentos serão realizados. Qualquer procedimento invasivo deve ser realizado em estabelecimentos de saúde com as devidas licenças sanitárias, e preparados para eventuais emergências. Um exemplo típico de irregularidade e periculosidade são as lipoaspirações realizadas em consultórios de profissionais de saúde.
  • Quarto: seguir criteriosamente as recomendações médicas, e a manutenção de canais de comunicação com o médico assistente a fim de dirimir dúvidas e/ou relatar ocorrências não previstas.

 

Deixe uma resposta