Bichectomia: saiba tudo sobre o procedimento que é febre entre os famosos

Cada vez mais popular entre artistas e modelos que pretendem ficar com o rosto mais fininho, o procedimento cirúrgico retira parte da bola de Bichat, que é um acúmulo de gordura localizado na face.

O médico cirurgião plástico Dr. Sérgio Eduardo de Menezes e Souza explica que, inicialmente, o propósito do procedimento era odontológico e só mais recentemente passou a ser realizado para fins estéticos. “Inicialmente a cirurgia foi criada para pacientes que sofriam por morder constantemente as bochechas, melhorando o espaço da mastigação. Depois que artistas fizeram a cirurgia e apareceram com rosto mais fino, a procura cresceu”, explica.

 O que é a bichectomia?

É a retirada parcial da bola de Bichat (em homenagem ao anatomista francês que primeiro o descreveu), que é um acúmulo de gordura localizado na face. Essas bolsas de gordura estão presentes no corpo, não importa se a pessoa está ou não acima do peso. A finalidade da bichectomia é puramente estética: reduzir o volume da parte de baixo do rosto.

De acordo com Dr. Sérgio, a remoção de parte desse acúmulo leva à demarcação da projeção do maxilar e à definição do ângulo da mandíbula. “A indicação ou não do procedimento depende de avaliação presencial. É desaconselhável para pacientes abaixo dos 16-18 anos ou fora do peso ideal, pois essa região do rosto costuma perder gordura com o passar da idade e a retirada dessas bolsas de gordura pode acarretar em uma aparência mais envelhecida, principalmente se for total”, ressalta.

Como é realizada a cirurgia?

A bichectomia consiste em uma incisão interna, que não deixa cicatrizes aparentes. A anestesia é local e a operação pode ser realizada em ambiente ambulatorial ou hospitalar por cirurgiões plásticos e dentistas.

O tempo de duração da cirurgia dependerá da experiência do médico e de quaisquer eventuais complicações. Mas a bichectomia dura em média entre uma hora e uma hora e meia.

Quais são os riscos?

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, os riscos são os comuns a qualquer procedimento cirúrgico (sangramento, infecção), além dos relacionados às peculiaridades locais. A região de acesso na cavidade oral fica próxima ao óstio do ducto parotídeo (por onde a saliva – secretada pela glândula parótida – chega à boca) e a ramos bucais do nervo facial (responsáveis pela movimentação de parte da musculatura da boca), o que poderia favorecer lesão inadvertida destas estruturas. Outro ponto importante, em se tratando de cavidade oral, são os cuidados relativos à proteção da via aérea, vulnerável a líquidos ou fragmentos que porventura viessem a se deslocar posteriormente na boca, particularmente em pacientes com nível de consciência rebaixado (sob efeito de anestésicos). Daí a importância de o procedimento ser realizado por profissionais capacitados e em ambiente adequado.

Qual o tempo de recuperação?

A dor não costuma ser importante. Edema e roxos podem durar de alguns dias a poucas semanas, variando caso a caso. Dr. Sérgio explica que o pós-operatório se assemelha à cirurgia do dente do siso.

Quando é possível ver os resultados da cirurgia?

O médico orienta para a necessidade de paciência até que a visualização dos resultados se dê por completo. A visualização completa dos resultados acontece de três a seis meses após o procedimento. Além disso, é importante frisar que o médico deve tomar cuidado com a indicação da cirurgia, para que os pacientes não tenham expectativas inviáveis.

Qual o preço do procedimento?

O preço depende de avaliação médica, internação hospitalar, materiais, sendo, portanto, bastante variável. O Código de Ética Médica veda esse tipo de divulgação. Vale o alerta: capacitação e infra-estrutura envolvem custos; desconfie de preços surpreendentemente baixos. Agende uma consulta no Centro de Cirurgia Plástica Geminus para avaliação!

Deixe uma resposta