Cirurgia íntima – Ninfoplastia

O aumento de tamanho dos pequenos lábios vaginais é uma alteração bastante comum e pode causar desconforto. As causas podem ser congênitas ou adquiridas. O desconforto ocasionado pode ser de ordem estética, funcional e/ou emocional.

Muitas mulheres deixam de ter uma vida sexual plena por não se sentirem à vontade com a aparência de sua região genital. Algumas mulheres deixam de usar calças justas, biquínis e roupas de ginástica em virtude do constrangimento que experimentam.

http://clinicageminus.com/cirurgias-e-tratamentos/ninfoplastia/

Ninfoplastia

De acordo com o médico cirurgião plástico, Dr. Vitor Eduardo de Menezes e Souza, do Centro de Cirurgia Plástica Geminus, na maioria dos casos, a estética e o incômodo psicológico durante a exposição ao parceiro e a relação sexual é a motivação para a cirurgia, que também é indicada para casos em que o tamanho exagerado dos pequenos lábios pode causar dor durante a relação sexual. “Em casos mais raros, a dificuldade em higienizar a região acaba provocando acúmulo de secreções e urina levando a infecções constantes, como a candidíase, o que também leva as mulheres a optar pela cirurgia plástica”, explica.

A avaliação permite caracterizar em que proporções os pequenos lábios vaginais estão aumentados. O Dr. Vitor explica também que o planejamento cirúrgico visa retiradas segmentares das porções aumentadas dos pequenos lábios através de técnicas específicas. “A associação de tratamentos pode ser necessária com correção de aumento de volume dos grandes lábios, assim como de monte de vênus e, ainda, do excesso de pele na região pubiana que causa queda de toda a região genital”, disse.

Como é feita a cirurgia íntima feminina?

Normalmente é utilizada a anestesia local com sedação ou simplesmente local para procedimento de ressecção dos pequenos lábios isoladamente. “O mais importante neste tipo de cirurgia é manter repouso e fazer a higiene adequada da região genital. A colocação de gelo nas primeiras 24-48 horas ajuda na diminuição do edema. Os pontos, geralmente, são absorvíveis e não necessitam ser retirados. O edema (inchaço) e as equimoses (roxidão) podem persistir por 10 a 20 dias. Após a alta, a paciente deverá manter repouso relativo e evitar relação sexual por cerca de 20 a 30 dias”, esclarece Dr. Vitor.

Vou ficar com cicatrizes?

As cicatrizes são colocados nas dobras de pele e sulcos da vagina. A mucosa vaginal proporciona cicatrizes praticamente imperceptíveis. O edema e as equimoses podem persistir por cerca de 20 a 30 dias. O controle da dor pós-operatória é realizado com anti-inflamatórios e analgésicos, sendo bem tolerada pelas pacientes. O resultado definitivo só será efetivamente observado no período de 6 meses a um ano. “A avaliação do paciente em consultório é fundamental para o diagnóstico correto e a indicação do plano de tratamento adequado”, explica Dr. Vitor.

Deixe uma resposta